Para ajudar nossos leitores, selecionamos as principais dúvidas sobre plano de saúde.

 

 

 

Como saber se o plano de saúde escolhido e a empresa que fornece esse serviço são confiáveis?

Para saber se você pode confiar basta pedir o número de registro da operadora e do plano na ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Com isso, ao entrar no site da ANS , é possível verificar:

  • Dados e planos da operadora;
  • Monitoramento da garantia de atendimento;
  • Desempenho da operadora através do Programa de Qualificação da ANS;
  • Índice de reclamações;
  • Acreditação de operadoras;
  • Operadoras que tiveram registro cancelado;
  • Pagamento das operadoras junto ao ressarcimento ao SUS;
  • Taxa de cesariana.

Com esses dados, você conseguirá avaliar se pode confiar ou não na empresa que está querendo contratar.

Meu plano de saúde é obrigado a cobrir todos os atendimentos de que eu precisar?

O plano de saúde só é obrigado a fazer a cobertura mínima. Isso significa que ela deve oferecer consultas, exames e tratamentos estabelecido pela ANS de acordo com cada tipo de plano (ambulatorial, hospitalar com ou sem obstetrícia, referência ou odontológico).

No entanto, se no contrato estiver falando sobre algum atendimento que não está incluso na lista da ANS, a operadora é obrigada a cobrir. Leia mais sobre esse assunto aqui nesse post.

Como funciona o atendimento de urgência/emergência?

Os atendimentos de urgência e emergência irão variar de acordo com o tipo de plano contratado. Eles irão funcionar da seguinte forma:

Tipo de plano Urgência Emergência
Plano ambulatorial Atendimento limitado às primeiras 12 horas em ambulatório. Atendimento limitado às primeiras 12 horas em ambulatório.
Plano Hospitalar Acidentes pessoais: atendimento integral Carência cumprida (máximo de 180 dias): atendimento integral.

Carência a cumprir (após 24 horas): limitado às primeiras 12horas, em ambulatório.

 

Desse modo, no plano ambulatorial, caso seja necessário permanecer internado ainda que seja por menos de 12 horas, você não terá direito a fazer isso pelo plano de saúde. Nesse caso, você poderá escolher entre ser transportado para uma unidade do SUS que tenha disponibilidade para prosseguir com o tratamento ou arcar com as despesas.

Porém, para atendimentos odontológicos de urgência/emergência, é necessário que o plano seja odontológico. Eles poderão ser realizados com cobertura completa após 24 horas do início da vigência de seu contrato.

O que influencia o preço do plano de saúde?

O que irá variar os preços do plano são os serviços que ele oferece. Ou seja, quanto maior a cobertura, maior será o valor da mensalidade.

Desse modo, aqueles planos que só incluem consultas e exames, tendem a ser mais baratos do que aqueles que incluem também parto, internação ou atendimento odontológico. Além disso, um plano regional, geralmente é mais barato que um plano que oferece atendimento por todo o país.

Ainda, outro ponto que faz toda diferença no valor é a idade do cliente. Quando mais velho ele for, maior será a mensalidade. Isso porque ela teria mais chances de precisar utilizar os serviços da operadora e com uma frequência maior.

Como é o reajuste das mensalidades do plano de saúde?

Segundo a ANS, os planos de saúde individuais ou familiares podem ser reajustados de duas formas:

  • Reajuste anual, definido pela ANS, na data de aniversário do contrato;
  • Reajuste por mudança de faixa etária: aos 19 anos e em seguida de 5 em 5 anos até completar 59 anos.

Portanto, é importante que você peça a operadora os valores das mensalidades de todas as faixas etárias, para que consiga ter uma previsão (lembrando que não é o valor definitivo, afinal tem o reajuste anual).

Quanto custa um plano de saúde? Por que um plano é mais barato que outro?

Pode ser que a operadora ou o corretor estejam vendendo um plano empresarial para você, afinal existem planos coletivos para a partir de 3 vidas.

Nesses casos, o problema está na hora do reajuste. Isso porque a operadora poderá aumentar o valor sem que a ANS possa interferir, pois ela define apenas o percentual de reajuste para planos individuais ou familiares.

Em outras palavras, o preço inicial pode até ser barato, mas na hora do reajuste a operadora pode agir de má fé e aumentar o valor abruptamente.

Para não cair em uma armadilha, não se esqueça que o valor da mensalidade está intimamente ligado com os serviços que estarão disponíveis, a área de abrangência e com a sua idade. Além disso, compare os preços com outras pessoas, isso poderá ajudá-lo a ter uma ideia.

A operadora pode me fazer alguma exigência quando eu for comprar um plano?

Uma das exigências das operadoras de planos de saúde é a declaração de doenças ou problemas de saúde. Você pode receber a ajuda de um médico indicado pela própria operadora e sem custo ou por um de sua própria escolha, mas nesse caso deverá assumir as despesas.

Além disso, pode ser solicitado uma perícia médica, também pago pela operadora. Então preste muita atenção durante a contratação, pois ela não poderá cobrar nenhuma taxa de adesão ao plano. O único valor a ser cobrado é a mensalidade.

Se eu tiver alguma doença, a operadora pode se recusar a me vender o plano?

Em nenhuma hipótese a operadora poderá recusar a vender o plano. No entanto, ao declarar que tem alguma doença, poderá ocorrer duas situações:

  • Por até dois anos suspender o atendimento de alguns procedimentos relacionados à doença que você declarou;
  • Fazer um acréscimo no valor da mensalidade para que você tenha direito a todos os atendimentos, inclusive os relacionados a essa doença.

O que a operadora deve me entregar quando eu contratar um plano?

Você irá receber os seguintes documentos:

Porém, se o seu plano é coletivo, a cópia do contrato não é obrigatória para todos os beneficiários, mas pode ser solicitada à empresa que contratou o plano.

Depois que eu comprar um plano, a operadora pode cancelar o contrato que assinamos?

A operadora pode cancelar o contrato apenas em casos de fraude, ou seja, se deixar de declarar que tem alguma doença ou permitir que outra pessoa utilize sua carteirinha.

Além disso, se não houver pagamento da mensalidade por dois meses, sejam eles consecutivos ou não, poderá haver cancelamento de contrato. Nas situações de inadimplência, a operadora deve avisá-lo 10 dias antes do cancelamento.

Quanto tempo depois que comprar eu posso usar o plano?

Todos os planos têm um período de carência para utilização dos serviços. Verifique junto a sua operadora quais são eles, para que não tenha nenhuma surpresa quando precisar.

No entanto, geralmente eles funcionam da seguinte forma:

  • 24 horas para urgências e emergências;
  • 180 dias para demais coberturas;
  • 300 dias para partos a termo (gestações com mais de 37 semanas).

Eu posso sair do plano a qualquer momento?

Claro que pode, no entanto se permanecer por menos de 2 anos, provavelmente você terá que passar por um novo período de carência. Então, não faça nada precipitado.

Ainda tenho dúvidas. Com quem posso conversar mais sobre planos de saúde?

Aqui na Foco Saúde temos diversos conteúdos sobre plano de saúde. Confira aqui que iremos te ajudar a solucionar as suas dúvidas.

 

Gostou desse artigo? Deixe o seu comentário e clique aqui para conhecer outros conteúdos para sua saúde.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*