O açúcar está presente em quase todos os alimentos e, em maior ou menor quantidade, eles são transformados em glicose – molécula utilizada para produzir energia para a maioria das reações que ocorrem no corpo.

Mas, o problema não está em consumir o açúcar, mas sim em exagerar na dose.

Já é bem conhecido os prejuízos que o consumo em excesso de açúcar traz para a nossa saúde física. Mas, atualmente, os médicos têm também dado bastante atenção para os efeitos que ele causa no cérebro e perceberam que os malefícios vão desde problemas cognitivos até alterações do humor.

Cria um ciclo vicioso

Quando ingerimos algum alimento que contém açúcar, imediatamente os receptores gustativos presentes na língua são ativados, enviando um sinal para o cérebro, o que faz com que ocorra a ativação das vias de recompensa e, consequentemente, a liberação dos hormônios do prazer, como a dopamina.

Claro que um pequeno pedaço de chocolate não irá fazer mal algum, muito pelo contrário, irá promover uma sensação prazerosa. Mas, em grande quantidade ocorre uma ativação em excesso deste sistema o que leva à perda de controle, desejos e maior tolerância ao açúcar.

Prejudica a capacidade cognitiva

Em 2012, um estudo realizado na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, observou que o alto consumo de açúcar, além de interromper a sinalização de insulina, prejudica as capacidades cognitivas, como memória e aprendizado.

Os pesquisadores alimentaram dois grupos de ratos com xarope de milho rico em frutose, mas um dos grupos recebeu também ômega-3 – lipídeo que estimula a memória e outros aspectos cognitivos, além de proteger o cérebro contra danos.

Com isso, eles observaram que àqueles que não foram suplementados com ômega-3 demonstraram redução da atividade sináptica e apresentaram resistência à insulina, um hormônio que controla a entrada de glicose dentro das células e sinaliza os neurônios, o que compromete a memória e aprendizado.

Altera o humor: causa ou piora a depressão e ansiedade

Outro problema que o excesso de açúcar causa no cérebro é alteração no humor, apresentando sintomas como nervosismo, irritabilidade, confusão mental, depressão, ansiedade e cansaço.

Isso acontece pois quando ingerimos açúcar, ocorre liberação de serotonina, outro neurotransmissor ligado ao sistema de recompensa, assim como a dopamina.

Entretanto, as reservas se esgotam e sua deficiência está diretamente ligada à depressão, o que faz com que não apenas contribua para piorar e persistir o quadro depressivo, mas também pode ser a causa.

Outro motivo seria o “choque de insulina”, que é definida como os picos e quedas repentinos da concentração de açúcar no sangue – toda fez que há redução você se sente ansioso ou deprimido. Além disso, níveis elevados de açúcar podem causar uma neuroinflamação, sendo esta também uma causa da depressão.

Fator de risco para declínio cognitivo e demência relacionado à idade

O consumo elevado de açúcar tem sido relacionado ao aumento do risco de desenvolver o Alzheimer.

Pesquisas mostram que indícios de diabetes, como a resistência à insulina e as altas concentrações de glicose no sangue, aumentam o risco de desenvolver doenças neurodegenerativas, sendo até mesmo chamada de Diabetes Tipo 3.

Dificulta a sensação de saciedade

Além de todos estes efeitos, pesquisas mostram que a glicose barra o mecanismo de saciedade e, desse modo, a pessoa sempre está com fome, algo muito comum na obesidade e sobrepeso.

A causa deste fenômeno está associado com o efeito inibitório que o açúcar tem na oxitocina – neurotransmissor responsável por sinalizar que estamos satisfeitos.

Tenha equilíbrio

Tanto a ausência, a qual pode gerar compulsões alimentares e faltar energia para o cérebro, quanto o excesso são prejudiciais. Por este motivo é tão importante encontrar o equilíbrio. Para isso, seguem algumas dicas para controlar o consumo de açúcar:

  • O açúcar tem vários nomes diferentes: sacarose, glucose, maltodextrina, dextrose, xarope de milho, melaço e muitos outros. Desse modo, conheça o que você está comendo.
  • Evite ir fazer compras com fome, isso vai acordar seu lado compulsivo e fará com que compre ou consuma coisas ricas em açúcar.
  • Não corte totalmente o açúcar, afinal ele não é de todo ruim e o nosso organismo precisa dele – você sabia que a única fonte de energia para o cérebro é a glicose? Apenas reduza e dê preferência a sua forma natural, como por exemplo a frutose presente nas frutas, pois também são ricas em vitaminas e fibras.

 

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*